29 de set de 2009

Virgem por acaso



Li este livro esta semana e pirei... ri demais demais...

Trata-se de Stacy Temple, que trabalha para a calcinhas.com, uma empresa virtual de lingeries. Por acaso ela ouve falar que após um ano sem sexo a mulher se revirginiza, é então que ela percebe que falta apenas uma semana para que ela complete um ano sem sexo, desde seu último ex-namorado ela nunca mais teve intimidade com homem nenhum. A partir daí tudo na vida dela parece girar ao redor de sexo, crônicas que ela lê, assuntos na empresa e todo o mais.
Basicamente o livro trata da busca desenfreada de Stacy Temple por uma transa com a finalidade de não se revirginizar e todos os desastres que ela comete nessa busca. Tudo dá errado o tempo todo para ela, coitada.

O livro rende boas risadas e, para mim que defendo o celibato é muito legal, pois se tem um pouco daquela crítica preconceituosa a respeito da mulher que não faz sexo por opção versus a mulher que não faz sexo por falta de oportunidade.

Claro que é um livrinho bem ao estilo "menina-fútil", mas depois de tanto livro chato todos os dias por causa da faculdade, uma bobaginha não faz mal a ninguém e ainda causa o riso.

Clica na foto para o download do livro em pdf =)

22 de set de 2009

Animação Debbyyyyyyyy!!! \o/



Recém é terça-feira.

18 de set de 2009

Eu chicoteando Murphy no final de semana passado





Murphy acabou com a bateria do meu celular/câmera logo quando entrei no camarim da Reação em Cadeia.

E eu driblei ele.


17 de set de 2009

Debby e seus headphones

Debora caminhando pelo campus, 7 da noite.

Musiquinha no mp4.

Intervalo entre uma música e outra


- DEEEEEEEBOOOOOOOOOORAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA OOOOOIIIIIII!!!!!

- oi.

(quando é que as pessoas vão entender o que é um headphone e vão parar de me assustar com gritos nos intervalos entre uma música e outra?)

Murphy.

13 de set de 2009

Murphy...

... me puxa o tapete, mas eu chicoteio ele!!!!
Maiores detalhes em breve.

11 de set de 2009

Que danem-se todos!




Todo limite um dia chega, e o meu vem chegando desde muito tempo. Sempre tento ser resistente no tangente a uma mudança de atitude por pensar que os outros não precisam pagar pelo que sinto. Mas chega, meu limite foi tão apunhalado por tanta gente que eu já mudei. Não estou comunicando nem solicitando, estou informando um ocorrido no passado: EU ME TORNEI O QUE TODOS ME SÃO.


Sempre fui o tipo de pessoa que sempre estava pronta pra estender a mão, o braço, os ouvidos, o ombro, o dinheiro e o que mais eu tivesse em mãos para oferecer em prol de um maior conforto a qualquer pessoa que me aparecesse. Mas nem isso vale a pena. Eu sempre me doando e os outros sempre me fodendo, essa é que é a verdade.


Uma coisa que me incomoda muito é a conveniência das pessoas. Como assim? Conveniência mesmo, aquela procura quando precisam de algo. Gente que nem me olhava na cara, quando tinha um problema que eu poderia resolver, ou tomar a frente para ajudar, vinha como se fosse amizade de infância e como se eu fosse a melhor pessoa do mundo pra resolver seu problema. Odeio isso, gente que só procura pra pedir. Pra esse grupinho, eu venho dando a solução há algum tempo: msns devidamente bloqueados. Eu existo pra coisas além de ajudar.


Outra coisa que me incomoda é a INconveniência: as pessoas sabendo que tu estás altamente envolvida na solução de um problema pessoal que parece insolúvel, e vem a criaturinha com um problema similar e quer que resolvas o dela também. Solução pra essa gente preguiçosa: só olho pra cara desse grupo, baixo minha cabeça e sigo com a MINHA solução. Virem-se idiotas! Se eu tenho capacidade, eles também tem.


Mas pior que os dois grupos anteriores, que são pessoas previsíveis por já terem perfis conhecidos, é o grupo dos falsos amigos. Desses eu tenho aos montes. E eu nunca aprendia a lidar, a resolver. Mas chega de levar na cara. Gente que quando EU preciso de um apoio me enche de grito ou faz aquela cara de “é a vida” e nem pra me aconselhar se presta ou que faz que não ouve ou, o que é ainda melhor... ouve e espalha o que ouviu não merece absolutamente nada proveniente de mim.


Vou desenhar algumas ocasiões: certa vez eu vinha passando uma situação horrível, que vinha me fazendo sofrer muitas coisas que eu nem imaginava, e procurei uma pessoa que se dizia leal a mim para ao menos poder desabafar, porque a solução cabia apenas a mim, e essa pessoa leal me mandou calar a boca porque eu falar não ia dar em nada e que ela já estava de saco cheio de gente azucrinando. Nunca mais toquei no assunto e segui sendo leal a esta pessoa super tolerante com o problema alheio. Meses depois a dita pessoa passou pela mesmíssima situação e eu, por meses a fio, ouvi os reclames dessa pessoa a respeito da ocasião, aconselhava e consolava e a pessoa não se dava conta do quão repetitiva vinha sendo. Passados 3 meses de pura audição eu tentei conversar sobre as coisas que eu vinha vivendo, coisas rotineiras, e a pessoa ignorava as minhas falas pra voltar ao único assunto desenvolvido por meses a fio. Quando o problema passou, adivinha: a pessoa esqueceu que eu existia e me ignorava.


Já fui apunhalada pelas costas por gente em quem eu confiava cegamente, já fui roubada por amigos “fiéis”, já fui escanteada por pessoas que jamais me abandonarão, já ouvi problemas até de inimigos e fui cortês e apoiadora. Já opinei pra gente que não ouve nem os próprios pensamentos. Já cuidei doentes que me amarão para sempre mas que nem me olham no rosto. Já vivi demais e desacreditei.


Não peço reconhecimento nem agradecimento, nem porra nenhuma. Eu só queria uma pessoa em quem eu pudesse contar na hora ruim, porque na hora boa até a minha bebida é mais gostosa. Eu sabia que o dia viria, mas nunca realmente pensei que um dia eu simplesmente me tornaria seca a ponto de não apoiar mais ninguém a não ser a mim mesma. Acho que o dia do meu cansaço chegou. E se eu posso ser tão boa para os meus queridos amigos, eu posso ser ótima para mim mesma. Estou partindo do coletivo para o individual, vou ser auto-suficiente. Quer dizer, eu já era isso de certa forma, né??


Sempre apoiando os outros e sempre tomando na cara pelas mãos das próprias pessoas que apoiei... agora vou focar meus esforços em mim mesma e ignorar os demais. Não quero ser como eles, eu quero ser PIOR que eles, essa gente pidona e ignorante que só pensa em si e em usar os demais.

6 de set de 2009

Murphy 4ever ♥

Se declarar ódio não resolve, quem sabe declarando amor ele enche o saco.
Sabe o dente siso? Aqueeeele do juizo?

Pois é, o meu segundo siso começou a se manifestar ontem num compromisso mega importante pra mim.
Mas, apesar dele e do incômodo eu me virei super bem.

Murphy, ó pra ti: _|_

Acho que não preciso dizer que a minha vontade era arrastar a cara no chão ou fazer coisa pior, né?

3 de set de 2009

É hoje!!

QUE EU COLOCO FOGO NO SUTIÃ!!

Da série: Murphy me ama



Conhece Murphy? Aquele que faz com que o telefone toque sempre que a gente está fazendo um pipi ou tomando banho? Ou melhor: aquele que prega que quanto maior o valor do piso/tapete/carpete do cafofo, mais garantida a queda do pão com a geléia/margarina voltada para baixo afinal, qual a graça de deixar cair o pão se não puder estragar alguma coisa além da cobertura, né?. As pessoas costumam dizer que Murphy é aquele que faz com que tudo que possa dar errado de fato aconteça.
Eu gosto de dizer que (menores de 18 anos, puritanos e demais gêneros conservadores, não leiam isto fora do horário pra não ter perigo de a censura nos pegar) Murphy é aquele que te ocasiona as melhores oportunidades de ir pros finalmentes quando tu está vestindo aquela lingerie que nem pra fazer limpeza presta mais. Murphy é aquele que faz a criatura derrubar o café por cima justo quando mais precisa de um, que espera o fumante compulsivo acender o cigarro pra mandar o ônibus, que permite ao apressado todas as oportunidades de ficar mais atrasado ainda nesse caso ele é super servil, faz o ônibus quebrar, a carteira fica em casa, dentre mil outras oportunidades. Murphy também é aquele cara que ajuda o cara que está louco pra comprar AQUELE celular oferecido em uma promoção incrível na televisão... de celular comprado, no dia seguinte o preço oficial do aparelho cai e, consequentemente, o preço da promoção cai mais ainda e no plano conta 26125121762517 reais o cara leva o celular de graça e ainda ganha de brinde um guarda-sol quebrado e furado!
Nófa. Murphy é o cara. Murphy é o maior Joselito do universo. Baita anti-herói descarado. E meu amante mais fiel. Me manda sinal de vida diariamente. E não tem Iemanjá que me leve embora essa macumba não. Um baita de um exu, isso sim. Incrível este meu amante incondicional... Murphy me ama e se agarra em mim o quanto pode. Não tenho nem idéia de quando conseguirei me livrar dele.
Novas de Murphy? Aparentemente ele estava se ensaiando para ausentar-se do meu dia-a-dia na terça-feira, maaaaaaaaaaaaaaaaassss para cada terça-feira no mundo, existe sempre uma quarta-feira. E a tal quarta-feira do cão não tardou a chegar, na verdade, para não ser mentirosa tenho que admitir que ela chegou correndo e mascarada.
Acordei pontualmente (milagre), saí de casa em bom horário para chegar a tempo na universidade sem precisar estar correndo como louca, tudo aparentemente em ordem. E isso incluía novidades de uma banda que muuuito me agrada e que está vindo à cidade. Tudo na mais perfeita ordem e alegria. Aula interessante, bafos rotineiros, conversês e o café. Eu deveria ter desconfiado. Murphy silencioso é sinal de traquinagem. Sim, é isso mesmo. Como criança, sabe? Se está quieta é porque está aprontando ou vai apresentar AQUEEEELAAAA merda.
E foi. No caminho de casa, cara. NO CAMINHO DE CASA PORRA! PUTA QUE PARIU, CARALHOOO, HEIIIN??? Peguei o ônibus de todos os dias exceto nas férias porque não sou xiita e adivinha só... falecido. Exatamente, aquele desgraçado de uma figa. Pensei com meus parcos botões que aquilo não ia dar certo, porque naquele momento tão último e tão primeiro diante do meu desejo de matar eu sentia a presença de Murphy ao meu lado e isso não era nada bom.
Vamos à explicação técnica rápida: aqui na cidade temos um sistema de roleta eletrônica que depende ainda dum fdp dum cobrador. Existe um dispositivo eletrônico de leitura de cartões para substituir a burrice... digo, a mão de obra dos cobradores no caso do uso de carteiras estudantis e vales-transporte. Este dispositivo é ativado em um primeiro momento pelo cartão do empregado incompetente da empresa que monopoliza o transporte coletivo na cidade para que a roleta possa ser liberada por meio de outro dispositivo que é um botão ao lado do caixa e que os panacas muitas vezes esquecem de apertar. Já em um segundo momento, o que libera a roleta é a leitura do cartão do passageiro ou o pagamento em dinheiro seguido pelo botão aquele que só funciona com barraco. Ou seja, além de controlar o número de pessoas nos trajetos percorridos no período de trabalho da equipe, a máquina desconta automaticamente a devida facada dos cartões dos usuários. Serviço quase nenhum pro cobrador, que se quiser pode até dormir como já vi alguns fazendo. Fim da explicação da maquininha sem serventia aquela.
Pois bem, foi eu subir no lindo, querido, maravilhoso, cheiroso do ônibus que o tal mecanismo bloqueou e deu problema no motor do alegre meio de transporte coletivo (pronto, baixei a plaquinha da ironia). MEU INSTINTO HOMICIDA ESTAVA APITANDO A TOOOOODOOO O GÁS. EU NÃO SABIA SE EU QUEBRAVA O ÔNIBUS, SE EU BOTAVA PRA BERRAR, SE EU PULAVA A JANELA OU O QUE EU FAZIA. O ônibus ficou entalado no trajeto uns minutinhos, enquanto isso eles foram colocando gente pra dentro inveteradamente. O pedaço de merda... digo, do ônibus até a roleta estava lotado de estudantes. Teve gente pensando até que era protesto. Infelizmente não era, bem que podia ser.
Murphy sabe muito de mim, e sabia que eu não tinha dinheiro trocado. Ele colaborou horrores comigo...
Meu mp4 se revoltou contra mim, tocou só coisa de maluco psicopata maníaco homicida(mania do shuffle) e eu estava absolutamente descontrolada. Uma coisa que me emputece, dentre tantas outras, é dividir espaços fechados com muita gente, afora isso ainda vem o pior fator: dividir espaço fechado e altamente restrito com gente covarde, em linguagem vulgar, cagona.
O que eu mais odeio ao ver aquela cara feia do falecido é saber que o cara me acusou de coisas inacreditáveis e ainda tem a cara de pau de seguir me procurando virtualmente. Sim, o cara visita com frequência meu Orkut e cada vez que tem a oportunidade de falar com amigas minhas ele pergunta de mim. Homem cachorro é coisa triste. O cara me difamou o que pode pra quem quis, inadvertidamente. Desde dizer que eu roubei o Orkut dele até declarar publicamente que eu era uma cachorra e que eu teria abortado um filho dele. O que me consola é saber que pelo menos a imaginação dele é fértil.
Eu não sei qual a dificuldade do cara de me deixar no meu canto e admitir que tomou um pé na bunda e que isto foi uma decisão permanente e imutável. Ele ainda se morde pelo fato de eu nem olhar na cara dele... ahahaha ele queria oizinho, pobrezinho! Ele, que disse pra quem quisesse ouvir que o dia que passasse por mim só não me matava porque não queria gastar as fortunas dele com cestas básicas.
Então acho que isso facilita a compreensão da minha fúria e descontrole.
Na saída do campus, meu mp4 começou a cantar “Vá tomar no cu”, sim, aquela mesmo. No momento do auge da música (se dá de chamar de música) em que se ouve “your ass is everything, vai tchumar no quiu” a porra da roleta foi liberada por aquele mecanismo de merda que citei acima. Milagre? Não. Murphy :) Não preciso dizer que morri rindo ao saber que o meu “ass is everything” e sabendo que, este sendo o sacrifício oferecido, a roleta desbloqueou. Além de tudo paguei minha cota de loucura.
Entreguei um dinheiro de bêbado todo amassado, nem eu tinha dado por conta o estrago naquela notinha de 5 até que eu fui tentar abrí-la pra entregar pro “mimoso”.
Valor da passagem: R$2,05. Troco: R$2.95. EM TONELADAS DE MOEDAS DE CINCO! OFERTA: pague em nota maior que o valor e ganhe o troco em moedinhas de cinco, e mais! Ligando agora para a puta que pariu além de tudo isso você ainda leva de brinde a cara de seu ex desgraçado em formato deboche! Aproveite já esta promoção, é só para a primeira Debora que passar na roleta neste meio-dia de quarta-feira! Espere já por Murphy e aproveite esta promoção!
Não me bastava um ex que não me esquece. Não me bastava ter sido desenhada um monstro. Não me bastava tudo que vivi e ouvi e passei com o dito cujo. Não me bastava ter dado um fim. Murphy tinha que colaborar mais uma vez.
Tô fudida. Sem mais.
Não me assombre mais
apenas me deixe em paz
e leve as lembranças junto com você